Chefes do serviço de urgência do Hospital São Francisco Xavier apresentam demissão

Os chefes de equipa do serviço de urgência do Hospital São Francisco Xavier anunciaram a demissão, numa carta enviada hoje ao Conselho de Administração e à Direção do Serviço de Urgência Geral do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental (CHLO).
29 Julho 2022

Os chefes de equipa do serviço de urgência do Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, apresentaram a demissão ao Conselho de Administração e à Direção do Serviço de Urgência Geral do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, segundo avança a ‘CNN Portugal’.


Segundo a mesma estação, o pedido consta de uma carta na qual os responsáveis das urgências referem que, perante as escalas do próximo mês, apresentam a sua demissão em bloco das funções de chefia, “a aplicar a partir do mês de agosto”.

No documento, a que a ‘CNN Portugal’ teve acesso, os profissionais de saúde indicam que, “com a constituição proposta no planeamento atual, não estarão garantidas a capacidade de assistência e cuidados às pessoas que recorrem” às urgências do hospital de Lisboa “nem a segurança destas e dos profissionais que as assistem”.

“Não estarão garantidas a capacidade de assistência e cuidados às pessoas que recorrem ao SUG do CHLO nem a segurança destas e dos profissionais que as assistem. Nesse sentido, concretizando-se este planeamento e a constituição das equipas nele proposta, o grupo apresentará a sua demissão em bloco da função de chefia do SUG, a aplicar a partir do mês de agosto”, pode ler-se na carta.

Assim, “o grupo apresentará a sua demissão em bloco”, acrescenta, manifestando ainda o seu “profundo desagrado e indignação face à forma como esta decisão e a sua comunicação foram tomadas”, afirmam em referências ao planeamento das escalas do mês de agosto.

Os responsáveis “não aceitam que as equipas sejam constituídas apenas por um assistente hospitalar (com funções de chefe de equipa) e de um interno de formação geral de 5,º ano equiparado a assistente hospitalar como os seus elementos mais diferenciados”, frisam.

A composição das equipas, apontam, é “imensamente desadequada, não só perante a afluência diária de utentes ao serviço de urgência, mas também pela necessidade mantida de repartição da equipa médica em dois circuitos”.


Note que, segundo a ‘CNN Portugal’, que 21 dos médicos vão entregar também esta sexta-feira minutas de escusa de responsabilidade, perante esta realidade de falta de elementos, responsabilizando assim o Conselho de Administração.

ÚLTIMAS

Share This