Jornalista russa obrigada ao exílio

Uma jornalista russa da publicação independente Novaia Gazeta, especialista em questões da Chechénia, abandonou a Rússia na sequência de ameaças de altos responsáveis desta república russa do Cáucaso.
04 Fevereiro 2022

Informou hoje o Novaia Gazeta, “Dadas as inúmeras ameaças pessoais registadas nos últimos dias contra a jornalista Elena Milachina por altos funcionários da Chechénia, a equipa editorial decidiu mandá-la para fora da Rússia”.



O Novaia Gazeta é uma das publicações independentes da Rússia, tendo o seu chefe de redação, Dmitri Mouratov, sido distinguido com o Prémio Nobel da Paz relativo a 2020.

O jornal dedica-se, entre outros assuntos, ao acompanhamento das violações dos direitos humanos na Chechénia e muitos dos seus jornalistas têm sido alvo de perseguição ou assassínio, como a jornalista Anna Politovskaia (assassinada em outubro de 2006), devido ao trabalho que desenvolvem.



O trabalho de Elena Milachina suscitou reações violentas por parte dos líderes chechenos depois da divulgação de execuções extrajudiciais que ocorrem na república russa do Cáucaso.

Em janeiro, Raman Kadyrov, o autoritário dirigente checheno, qualificou a jornalista como “terrorista”, em mensagens difundidas através do sistema de mensagens Telegram.

O jornal Novaia Gazeta apresentou uma queixa contra Kadyrov “por incitação ao ódio”.



As autoridades chechenas são acusadas de torturar e silenciar qualquer voz crítica e de perseguição contra homossexuais.

ÚLTIMAS

Share This